terça-feira, 6 de Novembro de 2012

O Dr. Mouse foi cobaia - Série 1 - Kit alisamento Garnier

Olá caros cobaias! Aqui vai mais um post, já tinha, obviamente, saudades de escrever! Mas venho aqui falar de um tema, um pouco polémico, mas tenho simplesmente de escrever.
Então, experimentei o Kit de Alisamento 3 Semanas da Garnier. Tenho o cabelo muito forte, com tendência a ondular, com frizz - ou seja, para o alisar tenho sempre de usar o secador e o ferro. Então, claro, depositei muita confiança neste produto!


Garanto-vos que utilizei as indicações passo a passo, conforme indicado. No entanto, nada de diferença, comparativamente a antes de utilizar o kit!.
O kit é composto por dois produtos - o primeiro tem os ingredientes ativos - um composto que, supostamente, teria a capacidade, a um nível molecular, de reorganizar as pontes de cisteina nas proteínas que compoem o cabelo (daí a sua composição em cisteina - o que deixa o cabelo com um cheiro desagradável, mesmo após um exaguamento vigoroso). O outro produto, é um creme nutritivo, que referem para aplicar e não enxaguar: o cabelo ficou com uma textura completamente desconfortável, a ideia é a semelhante a, por exemplo, aplicar o champoo e acondicionador e sair da banheira sem enxaguar o cabelo - fica terrivelmente pastoso. Claro, que essa consistência, faz com que o cabelo alise mais facilmente. Mas, sinceramente, após ter secado o cabelo, e o ter alisado com o ferro (continuei a não poder dispensá-lo) o desconforto foi tanto que tive de o enxaguar e secar de novo. O frizz não desapareceu, o alisamento continuou tão difícil como antes, e sinto que gastei o meu dinheiro inutilmente- do mal o menos, tinha-o comprado com desconto de 50% em cartão no Continente...
Qual a vossa opinião cobaias? O kit funcionou convosco? Sentiram o mesmo que eu?
Isto para concluir que, cada tipo de cabelo é diferente - já li casos em que o produto funcionou (embora não "miraculosamente"), e estes produtos usam uma capacidade publicitária de tal modo irreverente, que nos podem levar a pensar que este é um produto milagroso, para os cabelos mais difíceis. 

Para alisar, o que realmente me funciona é o óleo da Elvive com óleo de Argão (comprei na França - Elseve), que faz o cabelo super macio e resistente ao frizz (a imagem na net mais parecida que encontrei é esta). Continuo a ter que utilizar o ferro, mas o alisamento é muito mais rápido e mantem-se mais dias.

Eu gosto muito do meu cabelo ondulado, o problema é que ele rapidamente fica todo frisado e fico com uma cabeleira descontrolada! eheh. Só com alguns outros produtos é que consigo que ele se discipline! ;)
Pronto, se este post tiver sucesso, eu vou aqui colocar umas fotos do meu cabelo com e sem os diversos produtos. Nunca tenho, infelizmente, o mesmo cabelo após cada lavagem! :P

Então, caros cobaias, até ao próximo post!!!

segunda-feira, 17 de Setembro de 2012

Infecções Urinárias

Olá caros cobaias!

Hoje venho-vos falar de um tema que preocupa muitas mulheres, jovens, adultas, de qualquer idade.... As terríveis infecções urinárias!

Quem já não passou por uma destas infecções? Sente uma vontade de urinar constante (acabou de urinar e já tem vontade de urinar outra vez), dor ao urinar (umas pontadas e contracções terríveis) e até mesmo notou que a urina estava rosada (tem sangue na urina)? Está muito provavelmente com uma infecção urinária! E estas infecções têm de ser tratadas rapidamente. Além de darem dores e desconforto insuportáveis (dependendo da gravidade e estado de avanço da infecção) na área da uretra e bexiga, estas podem progredir pelos ureteres e chegar aos rins (ou apenas a um deles). Além disso a presença de sangue na urina é indicativa de lesão nas paredes da bexiga/uretra - beber sumos ácidos pode, por consequência destas lesões, revelar-se ainda mais doloroso quando urinar.


Então, o Dr. Mouse responde-vos a várias perguntas! Vamos começar por saber porque é que aparecem as infecções urinárias nas mulheres.

As infecções urinárias, na sua origem mais comum, aparecem porque uma bactéria estranha à flora vaginal da mulher, apareceu aí na zona vaginal próxima da uretra! Como foi isso acontecer? Sem papas na língua vou ter de vos explicar, para que compreendam realmente como se passa e como prevenir. Uma maneira conhecida de apanhar infecções urinárias prende-se realmente com uma forma errada de se limpar com o papel higiénico quando defeca - uma das bactérias mais susceptíveis de provocar infecções urinárias é a Escherichia coli (E.coli), habitante comum do intestino grosso. Se após defecar limpamos com o papel higiénico com o sentido do ânus para a uretra, pode que algum resíduo de fezes cheguem à uretra, e consequentemente, as bactérias começam a entrar pelo canal urinário! Então, como prevenir neste caso?

1º) Simplesmente limpe do sentido da uretra --> ânus. Sempre sempre! Institua-se este hábito!
2º) Caso tenha tido diarreia, o facto de ser líquida pode ter originado algum salpico que tenha chegado á zona vaginal/uretrária - caso seja possível lave-se com água e detergente específico (pH ácido). Se isto tiver ocorrido fora de casa, desenrasque-se: pegue num pouco de papel higiénico, embebeda-o com água e com um pouco de detergente das mãos e passe-o na uretra. Volte a urinar, nem que seja uma gota, para garantir que qualquer bactéria se vá embora.

Outra maneira muito conhecida das mulheres apanharem infecções urinárias é devido às relações sexuais. Já li vários sítios na internet que o referem, mas infelizmente não explicam o motivo, e muitas mulheres têm já receio de ter relações sexuais com o parceiro com receio de apanharem infecções urinárias. Mas as coisas são práticas e passo já a explicar: durante o acto sexual, pode que em algum momento, ou mesmo muito frequentemente, o pénis do parceiro toque no ânus da mulher (pois está muito próximo da entrada da vagina), e seguidamente na uretra da mulher (contíguo ao local de estimulação sexual da mulher - clítoris). Se o ânus não se encontrava completamente limpo, então é muito provável que apanhe uma infecção urinária, que é perceptível 24h após a relação sexual. Repare: a infecção não aparece por magia, ou por realizar um acto - é imperioso que haja o deslocamento de uma bactéria de um local para a uretra, e que esta entre e se aloje e colonize, para que haja infecção.


Então como prevenir a infecção urinária que poderia ocorrer após o acto sexual?

1º) Lavar muito bem a área genital e ânus com gel específico (pH ácido e de preferência com ácido láctico) antes da relação sexual. Não lave com sabonetes comuns! São muito agressivos devido ao seu pH elevado. Peça ao seu parceiro que se lave também. Assim não haverá problema algum durante a relação sexual. Beba também 1 a 2 copos de água.
2º) Para prevenir, urine após o acto sexual, para garantir que qualquer bactéria que tenha entrado na uretra saia com o jacto de água. Daí ser importante beber água antes do acto sexual, para que depois consiga urinar com quantidade suficiente para produzir um jacto que arraste alguma bactéria.

Se após ter seguido estes passos e notar que não teve infecção, comente aqui nos comentários para dar força a outras mulheres! Se ainda assim continuar a ter infecções urinárias comente-me também, pois o problema poderá ser outro, nomeadamente uma infecção vaginal, e pode ser que infecção que esteja a apanhar tenha origem com uma bactéria que esteja presente na vagina e não do ânus.

O Dr. Mouse aconselha:
Se tiver uma infecção urinária tem de beber cerca de 2l de água todos os dias, para minimizar o número de bactérias da bexiga e também a gravidade da infecção.
O seu médico poderá receitar vários antibióticos, como a ciprofloxacina, nitrofurantoina, amoxicilina+ácido clavulâmico, fosfomicina... Falarei de cada um destes medicamentos no próximo post. No entanto digo já: é imperioso fazer o antibiótico até ao fim da caixa, mesmo que se sinta melhor já a meio! (excepto para a nitrofurantuina).
Antigamente usava-se muito o chá de barbas de milho para tratar as infecções urinárias. Hoje, a acção antimicrobiana já não se verifica, devido à existência de resistências por parte das bactérias às substâncias aí presentes. No entanto, continua a ser usado devido às propriedades diuréticas deste chá.

Após realizar o antibiótico, torna-se imperioso repor a flora vaginal, que tem um papel importantíssimo no combate a bactérias estranhas e nocivas - faça a reposição da flora com comprimidos vaginais, nomeadamente o GYNOFLOR, composto por Lactobacillus acidophilus e estrogénios (os estrogénios ajudam a repor as paredes vaginais - isto é mais importante caso tenha sofrido de uma infecção vaginal, diferente da que estamos aqui a falar neste momento. Falarei dela mais tarde noutro post). Pode também realizar a reposição da flora colocando um tampão embebido em iogurte natural, na vagina.

Por fim, relembrar... BEBA ÁGUA/CHÁ! MUITA! TODOS OS DIAS!



Espero que tenha sido útil! Caso tenha alguma dúvida deixe um comentário neste post. Sou farmacêutica, terei todo o gosto em responder às suas dúvidas. Ainda ficou muito por falar, mas espero ter deixado aqui os pontos mais urgentes e essenciais nesta matéria.


quarta-feira, 18 de Julho de 2012

Os suplementos alimentares - Seremos nós os cobaias?

Olá caros cobaias! Confessem, já tinham saudades minhas! De facto hoje estou de volta para vos trazer, como já é habitual, um assunto na berra. E muitos outros se vão seguir, por isso aguentem a emoção destas magníficas notícias e aguardem os próximos posts com expectativa!
Pois meus amigos, estando nós numa altura de intenso Verão, a procura por suplementos alimentares que auxiliem na perda de peso, e no auxílio a outras condições, aumenta drasticamente. No entanto, se pensam que estão a comprar medicamentos controlados, com estudos de eficácia fiáveis, incluindo estudos de efeitos secundários e comparação com placebo, enganam-se redondamente!

Pois comecemos por deixar claro que um suplemento alimentar é muito diferente de um medicamento: os primeiros são, imagine-se, controlados pelo Ministério da Agricultura! Já um medicamento inclui legislação estrita e é regulado pela autoridade do medicamento, o INFARMED. Pois, meus amigos, um medicamento necessita cerca de 10 anos de estudos com milhares pessoas antes de sair para o mercado: os efeitos que ele provoca nas pessoas têm de estar explicitamente descritos e definidos. A sua eficácia é comprovada frente ao placebo, que significa um comprimido sem o fármaco ativo - apenas composto por "açúcar" ( é necessário visto que a própria pessoa que o recebe, embora não tenha lá o princípio activo (e a pessoa não o sabe), pode melhorar pelo simples facto de pensar que vai tomar algo que a cure! Por vezes a eficácia de tratamento sem o fármaco ativo chega a 30%! O poder do cérebro é magnífico não é?) Por essa razão é muito importante comprovar a eficácia do medicamento frente a placebo. Ora... os suplementos alimentares não necessitam nenhum dos passos aqui mencionados para os medicamentos, nem os imensos anos de estudos a eles associados. As eficácias não se encontram comprovadas clinicamente e como tal, nem os seus efeitos secundários, ou até mesmo, interações com outros medicamentos!!!

Tal permite-nos chegar a duas conclusões diretas: os suplementos alimentares podem não exercer qualquer efeito desejável (pelo que vai gastar dinheiro inutilmente) ou podem até provocar efeitos secundários, ainda que a embalagem diga maravilhas do produto "miraculoso, de origem natural", pois nem tudo o que é natural é inócuo!
Uma minha amiga Farmacêutica, a Patrícia Amaral, realizou recentemente um estudo onde refere que: perto  de 60% de pessoas que tomaram suplementos alimentares para emagrecer, com uma média de 5 meses de duração do "tratamento", não registaram quaisquer melhoras na sua condição física (apenas na carteira, está claro: tratamentos deste tipo com 5 meses de duração podem auferir aos 150€ ou mais!)
Não quero deste modo generalizar todos os suplementos alimentares presentes no mercado, mas alertar apenas e sensibilizar os meus caros cobaias e amigos de que por vezes estes produtos podem ser mais perigosos que os próprios medicamentos!
Se tiverem dúvidas acerca de qualquer produto, coloquem um post de resposta, terei o maior gosto em vos esclarecer!

terça-feira, 31 de Maio de 2011

Procura interacções entre medicamentos? O Dr. Mouse ajuda-o!

Olá caros cobaias! Procuram por interacções entre medicamentos? Está a tomar uma quantidade incrível de medicamentos ou começou a tomar uns novos e gostaria de saber se são compatíveis, se fazem exactamente a mesma coisa, entre muitas outras questões? Tire as suas dúvidas lend o post abaixo ou envie um comentário ao post para que possa ajudar!


terça-feira, 17 de Maio de 2011

Interacções entre medicamentos e como identificar um medicamento

Olá caros cobaias! Já fazia imenso tempo que não vinha aqui certo?

Pois hoje venho aqui deixar-vos uma informação bastante útil. Quantas vezes pensaste, caro cobaia, quando tomas a medicação, se esta é ou será incompatível com outro medicamento que tomes?

Há um website fantástico, em inglês: http://www.drugs.com/drug_interactions.php. Tens de clicar em "I Agree" e depois introduz um por um os medicamentos que tomas, ou inclusivamente, comida. Podes por até apenas um, que te dirá todo o tipo de interacções até agora documentados (isto é importante, porque todos os dias são analisados novos tipos e fontes de interacções, podes incluso ser o cobaia de uma de elas!).

A comida é um factor de interacção bastante importante com os medicamentos tomados por via oral, e não só, e deve ter sida em atenção as horas das refeições com a toma do medicamento. Para alguns, a ingestão concomitante com comida, inclusivamente o leite (que interacciona com diversos antibioticos do tipo tetraciclinas, entre outros), pode levar a que o medicamento não se absorva e, não tenha efeito.
Um grande problemático é a Toranja. Quem gosta de beber um suminho amargo da mesma? Fique sabendo que aumenta bastante a concentração do seu medicamento no organismo ao impedir que este seja eliminado à sua velocidade "normal"! Por isso muita atenção com aqueles medicamentos cujas doses já são ajustadas na linha para evitar que sejam tóxicos.

Estive analisando as principais pesquisas que levam os nossos leitores cobaias ao meu blog, e por isso dar-lhes-hei uma informação que será bem útil, bem para espalhar a seus conhecidos e amigos que também não o saibam:
Nas caixas de medicamentos podemos observar dois nomes: o comercial, com letras bem grandes (ex: BEN-U-RON), e outro mais pequenino, o nome genérico, ou seja, o verdadeiro nome da substância que tem acção (para o mesmo exemplo: paracetamol). Que significa isto? Significa que você pode comprar diversas caixas com nomes diferentes contendo exactamente a mesma coisa: paracetamol.

Aqui vos ponho uma curta lista, que inclui Genéricos (estes costumam apresentar o nome genérico seguido do laboratório que o produz) e NÃO-Genéricos (as marcas) para este principio activo, em comprimidos de 500mg, aprovados e comercializados em Portugal:
  • Anti-Gripe Asclepius
  • Atralidon
  • Ben-U-Ron
  • Febridol
  • Lisopan
  • Molpireos
  • Neogrip
  • Panasorbe
  • Pantadolor
  • Paracetamol APceuticals
  • Paracetamol Accel
  • Paracetamol Bluepharma
  • Paracetamol GP
  • Paracetamol Generis 500 mg Comprimidos
  • Dol-U-Ron
  • Tylenol
  • Adalgur N
  • ...................... (a lista continua!)
Todos estes comprimidos fazem exactamente o mesmo! Vá a sua farmácia e peça o mais barato, ou o mais indicado para si (com película gastroresistente para não lhe fazer doer o estômago) ou o que o seu médico lhe receitar! Use o website INFOMED:http://www.infarmed.pt/infomed/pesquisa.php

Espero que tenha sido útil! Até à próxima caros cobaias!

terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011

Medicamentos genéricos - o barato sairá caro?


Olá caros cobaias! Confesso que já tinha saudades de vos visitar aqui neste cantinho. Estive um pouco de tempo fora, mas valeu a pena, porque vos vou poder falar finalmente deste tema que vejo importantíssimo nos dias de hoje!

Os medicamentos genéricos representam hoje na nossa sociedade uma fatia importante de vendas, e são realmente o único recurso para pessoas, cujo nível económico é baixo, de manter uma terapia adequada e eficaz. No entanto, o mal é geral: com a queda de patentes tão precoce, as indústrias farmacêuticas estão desmoralizadas, e a queda na saída de novos medicamentos no mercado nos últimos 10 anos, é simplesmente vertiginosa (a FDA em 1996 aprovava a entrada de 56 novos medicamentos, e no ano passado, apenas 15).

Uma patente de um novo fármaco, tem a duração de 20 anos. Ao fim desse tempo, caduca, o que significa que as indústrias produtoras de genérico podem finalmente produzir essa molécula e investigar um novo medicamento genérico, que sai para o mercado a preços significativamente mais baixos em relação ao medicamento "original", pois, está certo, não tiveram de investir MILHÕES de dólares, nem realizar estudos de ensaios clínicos que duram cerca de 10 anos. É chegar e fazer uso ao máximo da mina de ouro. Que se está a passar neste momento? As indústrias farmacêuticas não querem realmente perder milhões de dólares numa investigação em NOVOS tipos de fármacos, em novas moléculas, pois há ainda a possibilidade de, em milhões de moléculas investigadas, nenhuma ter actividade (é dinheiro posto no lixo). O ano passado, a Pfizer encerrou um centro de investigação no Reino Unido, onde foram para a rua cerca de 2400 trabalhadores altamente qualificados. Tudo isto porque não há incentivos da parte do estado para a investigação na saúde. Volto a referir que se gastam milhões de euros na investigação e saída de novos medicamentos. Colocar um novo medicamento no mercado custa cerca de 900 milhões de dólares. Colocar um novo medicamento cuja molécula seja inovadora (um medicamento cuja acção seja muito melhor, em que os efeitos secundários baixem significativamente, e a actividade seja estrondosa) custa imenso mais. Qual é a indústria que se dá ao trabalho de investigar uma molécula First in Class, sabendo que passados 20 anos, a sua patente vai expirar? Imensas pequenas indústrias farmacêuticas estão neste momento a fechar as portas, e vários centros de investigação a desaparecer.

E aqui vemos porque, com todos os avances tecnológicos, não há uma renovação visível nos medicamentos de hoje em dia, porque não fabricam novos antibióticos (veja-se que já existem bactérias resistentes ao mais poderoso antibiótico, e que, portanto, não há cura para elas), porque não descobrem anticancerígenos realmente eficazes sem todos aqueles efeitos horríveis, porque as novas moléculas que saem para o mercado não trazem nada de significativamente novo (muitas delas são apenas pequenas modificações das já existentes)... Temos tecnologia e capacidade para desenvolver moléculas bastante mais avançadas, moléculas mágicas, mas o risco em investir, é apenas demasiado.

Ai caros cobaias... Isto faz pensar não faz?

segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Busted Consumidor - Na farmácia, quando escolher os antigripais?

Olá caros cobaias! Seguramente este vai ser um tema interessante: quantas vezes já fomos à farmácia com aquela dor de garganta, e pedimos logo um antigripal? «É porque estou a começar uma gripe!». Pois bem, caros cobaias, muitos desses antigripais não têm aquilo que realmente queremos que tenga para fazer efeito, e depois ficamos frustados porque não ficamos bons, e ainda por cima, têm montes de princípios activos no mesmo comprimido, um BOUM que provavelmente não é necessário...

Então... Que fazer?

Vamos ver à lupa os antigripais comercializados em Portugal (como o laboratório está em crise, estou a ver por um livrito mais desactualizado, de 2007... Nada que depois não actualize!)

Ilvico N (Paracetamol 250mg + Bromofeniramina 3mg + Cafeína 10mg + Ácido ascórbico 36mg)

Este famoso comercial Ilvico, possui então na sua composição um analgésico, um antihistamínico, e um pouco de café e sumo de laranja. Pensa-se que a cafeína produza um complexo molecular com o Paracetamol que favoreça a sua absorçao, mas certamente que estará presente devido aos seus efeitos estimulantes no organismo. O antihistamínico Bromofeniramina é ainda dotado de capacidade antidepressiva (imagine-se, um inibidor selectivo da recaptação de serotonina!) e antihistamínica. Então para que serve o Ilvico? Bem, para dores (não muito fortes, veja-se que a composição em paracetamol é exactamente metade da de um comprimido convencional), e para goteios nasais e espirros. Não o tome se está com dor de garganta, ou com tosse... Aliás, como a todas as associações que aqui se seguem, o seu uso não está recomendado.

Griponal (Paracetamol 500mg + Clorofenamina 4mg + Fenilefrina 10mg)

Este Griponal, talvez já não tão famoso quanto o Ilvico, já tem uma quantidade mais aceitável de paracetamol, se se encontra com uma grande dor de cabeça ou uma dor nos músculos insuportável. E o resto das coisas? Bem, são anti-espirros e anti-goteio nasal.

Cêgripe (Paracetamol 500mg + maleato de Clorofenamina 1mg +Hesperidina 100mg + Ácido ascórbico 100mg)

O nosso amigo Cêgripe possui na sua composição um composto bastante interessante, que diga-se de passagem, não fazia ideia do que era: a Hesperidina. Pelo que me parece, posso comparar este composto a um género de principio activo obscuro que ainda não se sabe muito bem para que serve. Pensa-se que têm efeito anti-inflamatório, baixa a pressão arterial e o colesterol, tem efeitos positivos contra a sepsis... Enfim, é um milagre da medicina, mas seguramente não se sabe lá muito bem que efeitos tem esta coisa para pessoas que a tomam juntamente com uma data de medicamentos. E bem, o que difere este nosso amigo do de cima, é que também tem um pouquito de sumo de laranja.


Antigrippine (Paracetamol 250mg + Mepiramina 20mg + Cafeína 30mg)

Parecem-me uns mesquinhos estes medicamentos, porque pelo nome parece que vão a curar a gripe, e são uns mesquinhos na sua composição... Adiante. O antigrippine é efectivo em dores musculares ou de cabeça fracas, e a mepiramina é outro antihistamínico e anticolinérgico. É bom se têm muitos espirros ou goteio nasal. Mas, tanto este como o presente no Ilvico, são de 1ª geração, o que quer dizer, que se o tomarem durante a manhã, ou durante o dia, podem ficar com um pouco de sono...

(Bem.... Ainda não fui visitar nenhuma farmácia e não sei o que vendem por lá... Por isso meus cobaias, voçês que andam fora do laboratório, se compraram algum antigripal recentemente, diferente de estes aqui, escrevam-me! =) )

Em suma caros cobaias: Se estão começando uma gripe, e apenas têm dores de músculos ou de cabeça (ainda não pingam do nariz, e coisas assim), basta tomarem um paracetamol (Ben-u-Ron, Panadol, genéricos, etc, etc...) ou um ibuprofeno, ou uma aspirina (menos para as crianças/adolescentes com menos de 16 anos), porque assim evitam ingerir montes de antihistamínicos que só vos fazem mal e passar sono durante o dia. E para cafeína e ácido ascórbico, bebam um café ou um suminho de laranja. Repararam que pelo menos nestes antigripais que vos falei, não havia nenhum principio activo para a tosse ou dor de garganta? Para isso é melhor tomarem um xarope de dextrometorfano, ou o mel com limão, ou uma mebocaina... (enfim, misturei tudo!)

Tenho pressa cobaias. Quando puder venho aqui completar melhor o post, que há coisas acima que ainda precisam ser esclarecidas! ehe!